sexta-feira, 6 de julho de 2007

Vómitos, pt.II

Gostava de ser mais directo.
Tento sê-lo em certa altura,
Mas o teu olhar, discreto...
Não me permite maior abertura.


“Porquê este toque de humano?”

Cheguei a um ponto de ruptura,
Algo que deverias compreender,
Achas que ainda não é altura?
Não vês que nada tenho a perder.


“Porquê esta fraqueza nas palavras?"

Estou de partida e sem direcção,
Perdido no mundo, sem propósito,
Conto apenas ter muita acção.
Não quero terminar a vida no depósito.

“Porquê esta autodestruição externa?”

Afonso Sade

11 comentários:

hobbes disse...

gostei
fote tu que fizeste as perguntas também?
tenho a resposta para a primeira..

porque és humano..porque por mais que queiramos desistir da nossa condição ela acaba por engolir-nos vivos..

Afonso Sade disse...

:$

Já me perguntei se isso é mesmo assim. Por vezes gostava de me sentir humano... mas parece-me inalcançável tal estado.

A pergunta é colocada pela consciência do escritor qdo vê que este é incapaz de ser directo e se deixa “amolecer” pelo toque humano que ainda respira dentro dele, que não é muito normal, apesar de por vezes o aparentar. Espero ter sido claro.

Fico contente por teres gostado!

;)

hobbes disse...

mas é mesmo isso ser humano..
e o inalcançável é algo que colocamos na nossa cabeça para evoluirmos e vivermos em busca de mais e melhor..
porque sim
porque somos insatisfeitos
(acho que esta é a nossa maior característica)
e por mais que te sintas estranho ou alienado..por mais que nao te sintas humano nao podes fugir desta condição..

achas que não é normal o toque ainda estar vivo dentro de ti quando dizes estar "Perdido numa consciência sumida outrora"?
acho que simplesmente há coisas que custam a esquecer

Afonso Sade disse...

Há coisas ás quais não podemos fugir!

Qdo me referia a inalcançável não foi com a intenção insatisfatória normal do ser, mas como um estado impossível de ser atingido devido ao ser em si. Um pco confuso, mas acho que dá para entender.
O sermos insatisfeitos é o que nos faz viver, pois são os desafios que dela provêm que nos motivam e é a permanente insatisfação que nos obriga a um desafio constante e paralelo, “obrigando-nos” a viver.

Eu não me considero alienado, mas sim um pco estranho, não por me achar diferente, mas pelos outros acharem diferente algumas das minhas atitudes, pensamentos e raciocínios. Mas o pco de humano que tenho vai estar sempre presente!

Qto á consciência perdida outrora, é algo vestígial que se encontra perdido dentro de um imenso universo. Mas a condição de humano vai estar sempre presente!

;)

hobbes disse...

"um estado impossivel de ser atingido devido ao ser em si"?porquê?achas que não tens capacidades para tal coisa?

ah sim, benvindo ao clube dos diferentes aos olhos dos outros..sabes que mais?já me importei mais com isso..no fundo até acho piada..

=)

Afonso Sade disse...

Basicamente é como quereres que o Figo marque um golo, mas sem ele ter a bola. ;)

Por vezes tb acho piada, mas nunca me importei mto com isso. Faço-o parecer às vezes mas é só para meter nojo, lol

;)

hobbes disse...

tu é que achas que ele nao tem a bola..pode ter uma bola imaginária..como o hobbes

meter nojo é fixe =p

Afonso Sade disse...

Mas o Hobbes não é imaginário, ele existe!
Não só como peluche, o Hobbes existe no Calvin o que é mto bom!

Aqui a bola nem chega a ser imaginária!

;)

joaninha disse...

posso intervir na "discussão"? :P

autodestruição externa????

não deixes!!!!!! nem externa nem interna claro!

*beijinho*

hobbes disse...

sim existe no calvin and hobbes..é dai que vem o meu nome..
so que hobbes é fruto da imaginação do puto calvin

a bola poe existir pq tudo pode acontecer :p

Afonso Sade disse...

joaninha: :D

hobbes: Isso já tinha percebido, que o teu nome vinha da BD. Mas como disse o Hobbes para além de físico é tb psicológico. Neste campo da "bola" é tudo mais impossível... ;)