segunda-feira, 30 de julho de 2007

Respirar
É o excesso de luz,
É a falta de claridade
Será isto que me seduz?
Esta falta de cumplicidade?

É a escuridão envolvente,
A penumbra de sempre
A cobardia presente
O que me faz descrente.

As tuas formas melodiosas
A tua maneira gentil,
Essas tuas palavras gostosas
Que me deixavam febril.

A maneira como te quero
Transcende o comum,
Em mim sou austero,
Nunca dois vamos ser um.

Foste embora sem olhar,
Como era esbelto teu encanto
Deixaste-me sem lamentar
Perdoa-me o teu pranto.

Afonso Sade

12 comentários:

hobbes disse...

isso é mesmo romantico..
e bonito..

Afonso Sade disse...

Achas? Lê bem.

;)

hobbes disse...

sim é romantico..ja li muitas vezes..*nem todos os poemas romanticos têm um "final" feliz..

Afonso Sade disse...

Não é pelo final menos feliz, que não é o caso, mas pelo que é dito entre linhas...

;)

hobbes disse...

mas foi assim que o senti..
e por isso são perigosas as interpretações

Afonso Sade disse...

Não são nada perigosas, não podes é crer interpretar uma coisa da mesma maneira que uma pessoa que tem uma vivência diferente, é impossível.

Sendo assim tens de lhe dar o teu sentido na tua orientação e deixar a interpretação do autor para o autor!

;)

hobbes disse...

pois..
mas já pensaste que um dia podes escrever sobre uma vivencia que tens em comum com uma pessoa e essa pessoa perceber tudo ao contrario?já me aconteceu..

Afonso Sade disse...

Já me aconteceu mais do que uma vez, digamos que até é normal em mim não ser explicito e claro.

Normalmente qdo isso acontece, mando umas notas a explicar o porquê das coisas e seus significados, mas mesmo assim sou mal interpretado!

;)

É um fardo que me acompanha desde pikeno!

hobbes disse...

já me aconteceu terem percebido mesmo o oposto do que estava la escrito..eu juro que nao sei como foi..nem era a minha intenção
a mim também..sim vitima das minhas proprias palavras..

Afonso Sade disse...

Por vezes complicamos o simples sem nos apercebermos!

;)

hobbes disse...

sim..
mas acho que sabe melhor descrever qq coisa que por dentro nos corre com metaforas ou palavras bonitas..
será que nao?*

Afonso Sade disse...

;)