sexta-feira, 10 de novembro de 2006

Tempo...

Tempo que és tão pouco... esgotas-te a cada segundo sem nunca acabares...
Houve tempos em que o tempo que corria era mais calmo. Ou seriam esses tempos mais calmos e se pensaria que o eram mais calmos os tempos?

O tempo é inesgotável... é um círculo contínuo que nos ensinaram a amar, odiar e ignorar... É como que um círculo dentro de um tapete que não para de desenrolar...

O tempo é um tear que teima em não parar... de tecer. Teias surgem todos os dias... que são tempo... mas o que é o tempo afinal?

É tempo de escutar a melodia da vida que se difunde no ar! É tempo de sentir o que quer que seja que paira... o que quer que seja que se sente!

Sinto agora o tempo a passar... leve de mansinho sem avisar!
Se calhar é tempo de parar!

3 comentários:

Anónimo disse...

Nestes dias tão agitados gostava de ter tempo para ver o tempo passar... Talvez pra semana

Afonso Sade disse...

Vê mas é se arranjas tempo para tirar fotos e dar noticias!

Achas que consegues fazer isso antes de irmos para Basel?

Abraço

Guida disse...

Eu acho que vocês são malucos...
Cada um à sua moda, mas ambos malucos!Um porque escreve sobre o tempo, que não tem, que deveria ter, mas que se escorre sem ele saber.
O outro porque está tão habituado a ter o tempo todo do mundo, que finalmente tendo uma oportunidade de ver o tempo como os outros, quer voltar a parar no tempo.
Melhor ñ dar conta que ele passa Pi, sinal que tens em q pensar, o que fazer, uma ocupação.E tu Macaco, aproveita esse tempo!!