sábado, 22 de novembro de 2008

Mergulhado na Apatia do meu Paradoxo...

Sei que devia estar com um sorriso de orelha a orelha, esboço-o para não parecer mal educado, contudo, por dentro, sinto-me desfeito, trespassado... Nunca me dei o devido valor, talvez seja verdade, talvez não... mas as coisas acontecem e quando acontecem deixam-me a pensar... e penso que penso... penso.

Acho que acabo de iniciar uma fase frenética da minha vida... se lhe posso chamar vida... não tenho tempo sequer para respirar. O tempo que tenho para mim é para dormir... o tempo que tenho para os outros, não tenho tempo para os outros... Os amigos que me desculpem, e as chamadas que fiquem de fazer... já há muito ficaram perdidas por falta de paciência.

Não estou mal, pelo contrário, foi-me prometido o aumento, foi-me atribuída mais responsabilidade, mas dentro de mim há algo que me anda a criar um atrito enorme, deixa-me repleto de limalhas e detritos que me fazem abrandar... Não tenho tempo para pensar... Sinto-me bem onde estou, fiz novas amizades e ganhei a confiança dos que me rodeiam, contudo há algo que me faz pensar, e penso, quando posso.
Falta-me tempo para viver, pois não consigo dizer que não. Esgoto-me nos problemas dos outros, não conseguindo expor a ninguém o que me consome, não sei porque mas também não me preocupo muito com isso. Tenho a perfeita consciência de que devia, mas não consigo, é mais forte do que eu, do que nós.

Não me percebo, paro para me observar e tentar analizar-me, mas não consigo entender-me... Percebo o porquê de pensar como penso, de agir como ajo, compreendo a maneira de ser como sou, ou melhor, de não ser como devia. No fundo acho que era impossível encontrar-me melhor do que me encontro neste momento, mas mesmo assim acho que não estou preenchido a 100%

Resumindo, falta-me tempo para estar comigo!

5 comentários:

@n@bel@ disse...

Vai dar uma volta de bike que isso passa :)

Afonso Sade disse...

É bem verdade... mas agora só para a semana!

;)

Pearl disse...

Sabes...é em nós que reside o nosso próprio equilibrio, a nossa própria capacidade de sermos dos outros mas tambem de nós mesmos!
Se não nos dermos numa medida equalitária caimos, simplesmente se não tivermos para nós mesmos não teremos para os outros!

Deixo-te um beijo e o desejo sincero que estejas mais vezes contigo, esses momentos são fundamentais!

Mas afinal o que estou eu aqui a fazer?... disse...

Somos dois! :)

Afonso Sade disse...

Bem vinda ao grupo!

;)