sexta-feira, 18 de abril de 2008

Hoje senti-me velho.


Hoje tive de ir até ao Departamento de Química da Universidade do Minho. Fui até lá porque tinha de correr um ensaio no polarímetro, mais velho do que eu, e que é de utilização gratuita (pelo menos para mim.)

Infelizmente constatei o seguinte... Havia lá mais miúdas, e estas mais jeitosas, do que nos tempos em que me fiz passear por aqueles corredores... Não sei se seria por ter lá maioritariamente aulas práticas.

Passo a explicar. Aulas práticas: aulas obrigatórias de manhã, quase madrugada. Isto implicava que um gajo viesse directamente do Sardinha, ou de uma noite de borga em casa de alguém directamente para as aulas. Quer-se dizer, ainda parávamos para forrar o estômago na Flor da Venezuela. Sendo assim também não dava para ver muito bem o que nos rodeava... só víamos onde paravam os esguichos com água destilada.

Outra coisa que me deixou... mais velho, foi o facto de, ao chegar à hotte na qual tinha de encher as células, deparar-me com um caloiro dos meus caloiros, a estagiar... ora bem... acho que o tempo tem voado um bocadinho... mas um bocadinho depressa demais.

7 comentários:

...Ju... disse...

LOL!

voces sao todos iguais, acabam o curso e ganham a mania de que estao velhos... :D

depois sinto me uma crianca! a culpa é vossa! bah! ;)

*bjinho*

sinhã, a. disse...

O tempo não voa: anda, apenas, a seu tempo. :-)

Afonso Sade disse...

pois...

L. Laranjo disse...

Mano, acho que conheço bem esse sentimento!

Naturezas disse...

e recordar é viver ...

QuartoCrescente disse...

Sempre me questiono muito acerca do tempo. Passa depressa... passa devagar... já percebi que é relativo e tem a ver com o nosso estado de espirito...mas o que é certo é que olho para tras e não sei como ja passaram tantos anos e que foi feito deles... Sempre queremos que o tempo passe depressa para algumas coisas e ele parece nao passar... queremos que o tempo não passe e ele foge... Que coisa esta do tempo!!!!
Beijo....

Afonso Sade disse...

O problema está em não darmos atenção ao tempo... só o atendemos qdo nos interessa... e aí parece interminável!

;)