quarta-feira, 13 de junho de 2007

O azar segundo o Senhor Henri.

Foto in Olhares

(...) as maldições são cálculos matemáticos que acertam no futuro e esperam por nós.
Entretanto, o senhor Henri baixou-se para apertar um sapato e, nesse momento, uma enorme pedra passou por cima da sua cabeça e caiu violentamente no chão.
...a minha sorte foi mais uma vez pontual – disse o senhor Henri, depois de se levantar.
...ou seja: a minha sorte está sempre sincronizada com o meu azar.
...se uma pedra me batesse na cabeça seria azar – disse o senhor Henri.
...mas felizmente veio a sorte de me ter baixado no momento em que a pedra me queria abrir a cabeça.
...as pessoas que têm azar não deixam de ter sorte.
...o que têm é sorte nos momentos errados
– disse....é como se no meio do deserto encontrassem um saco cheio de areia... – disse o senhor Henri.

in O Senhor Henri - Gonçalo M. Tavares.

5 comentários:

joaninha disse...

ora aí está... é tudo uma questão de perspectivas e pontos de vista!!! :P

se um exame correr mal essa "imagem" das coisas pode ser aplicada? :|

*beijinhos*

:)

lacqua disse...

lol
foi a parte que mais gostei do livro! ;)

Ana disse...

humm... estou a ver...

Canochinha disse...

Muito bem visto!

Afonso Sade disse...

joaninha: CLARO!

lacqua: Não foi a minha preferida, mas gostei mto!

canochinha: Tb achei!

;)