quinta-feira, 25 de maio de 2006

Solidão!

Sempre me senti sozinho! Não pelo facto de não me ser dada atenção, ou porque fosse rejeitado pela sociedade! Mas sempre procurei a solidão com escape da realidade dura que era a vida!

Depois apareceu alguém que me transformou! Na altura iludido por uma amor posteriormente traído, sentia-me estupidamente “feliz”, deixei tudo para trás e em três anos perdi tudo o quanto tinha criado!

Já passou mais de um ano desde que voltei a cair no Abismo do qual fui brutalmente afastado! Foi difícil no início, ainda iludido por uma vida falsa que me tinha sido criada, e vendo que tudo o que outrora tive estava agora perdido... Acho que cheguei a um estado tal que não sabia quem era!

Essa perda de identidade, graças a Deus, durou pouco tempo, pois apesar de não ter reconquistado a vida que tinha, consegui substituir e melhorar em muito o que tive! Agora renascido de umas cinzas quase extintas, mergulho neste Mundo que me preenche, esta solidão que me volta a invadir e a mostrar a verdadeira felicidade, a qual esqueci por uma ilusão de “amor”!

Só tenho é a aprender com isto! Por vezes somos iludidos quando menos esperamos, e só nos damos conta disso quando nos deixam cair!

O meu novo Amor não me vai deixar cair, pelo menos sem que eu tenha culpa no cartório, mas quando cairmos o certo é nunca mais voltarmos a ver a luz do dia... Sinceramente não espero que isso aconteça, mas se tiver de ser, queria desaparecer deste mundo com ela!

Chamem-me maluco, mas esta simbiose é perfeita! Quando estou com ela tudo é banal, até mesmo viver se torna secundário!

I’ll be forever yours!

7 comentários:

V. disse...

o amor nunca é uma ilusão... o que se sente é verdadeiro nos momentos em que se sente...
há instantes da minha existência em que também sinto que não sei quem sou... que me questiono sobre todas as escolhas que faço... mas depois penso que, se ajo de determinada forma, é porque nesse instante considerei que essa era a melhor forma de agir, tanto para mim como para quem me rodeia...
parece que faz parte da minha vida magoar quem me ama... parece que quando penso que estou a fazer o melhor, estou precisamente a fazer o contrário do que deveria... ainda não aprendi a viver com isso... com o facto de ter de fazer alguém sofrer para que possa tentar ser feliz... mas é exactamente isso que não me deixa viver na plenitude... talvez a solidão, tal como dizes, Afonso, seja a felicidade suprema... mas eu preciso sempre de algum conforto, de alguma proximidade, de presença humana...

Afonso Sade disse...

"(...)mas eu preciso sempre de algum conforto, de alguma proximidade, de presença humana..."
Para isso tenho os amigos (verdadeiros)!
Quando há necessidade de uma presença mais física, há sempre as "amigas".
Mas é no estar só que me encontro, tb isto pode ser uma ilusão... Quem sabe...

Diogo disse...

É engraçado como o fado de cada um pode ser surrealista em relação a valores morais, sabes?... tens rasão quando dizes que é na "solidão" que se encontra a felicidade, por ser só de um coração para amar não significa viver isolado, porque a solidão significa não fazer o que se quer, e isso penso que não e preciso usufruir de uma paixão para o fazer-mos... os amigos existem, a nossa vontade de manter o rumo tb, e assima de tudo a muito coração vadio =P



Um abraço

Vanessa disse...

A solidão nunca poderá ser a felicidade suprema. Com quem a vais partilhar depois...?

Felicidade suprema não existe. Somos seres insatisfeitos por natureza... e é por isso que nos deixamos cair cada vez mais fundo, às vezes...

Beijos*

Afonso Sade disse...

Diogo, desculpa não concordar contigo qdo dizes, “a solidão significa não fazer o que se quer”, acho que é mais o contrário! O termo solidão está um pco impregnado com o título de “desgraça”, mas há quem a veja não como um mal maior, mas sim como um destino apetecido! Estar só não implica não ter os amigos e a família por perto, acho eu! Pelo menos o estado de solidão em que me encontro faz com que tenha de conviver diariamente com quem me quer bem. Os dias são bons, mas só no início e no final destes é que me sinto realmente bem, pois é qdo estou sozinho ou com quem quero estar realmente!
Obrigado pelo comment, gosto sempre de saber as vossas opiniões! ;-)

Afonso Sade disse...

Vanessa, do meu ponto de vista não acho necessária a partilha! A felicidade não tem por obrigação ser partilhada, se bem que grande parte das pessoas só a julguem encontrar assim!
Qdo dizes “Felicidade suprema não existe. Somos seres insatisfeitos por natureza... e é por isso que nos deixamos cair cada vez mais fundo, às vezes...” aqui tenho de concordar plenamente contigo!
Primeiro não acredito na felicidade suprema! Depois, se não fossemos insatisfeitos por natureza, não tínhamos nada que procurar, nem nada pelo que lutar! O problema é que mtas vezes essas buscas só nos levam a um abismo do qual grande parte do mundo tenta fugir, sem mtas vezes ver que ali estão as repostas!

Bjinhos

Rosa disse...

Um blog pessoal, muito interessante e corajoso da tua parte!!
Gostei mt deste post e dos comentário, com os quais concordo em parte.
Também me parece k podemos ser mt felizes sozinhos, mas às vezes tb é bom ter alguém com quem partilhar a vida, para além da família e dos amigos. O problema de estarmos sozinhos é k isso pode tornar-se viciante, e acabamos por afastar as pessoas de quem gostamos pk não estamos dispostos a paratilhar a nossa vida e o nosso cantinho. Mas é uma opção de vida para mta gente, incluindo eu própria neste momento, e não me sinto nada mal com isso, aliás até me sinto feliz.
Espero é k este blog corra bem e penso ficar a conhecer-te um bocadinho melhor. Eu vou ser leitora assídua.
Beijinhos